Entrevista com Bernardo Carneiro, sócio-diretor da Stone

Em meio a várias empresas de tecnologia que se prestam a otimizar processos dos mais variados níveis no mercado Financeiro, destaca-se a Stone Pagamentos. Chamadas de fintechs, enfrentam organizações mais tradicionais, mas obtém vantagem por oferecer caminhos mais eficientes e serviços mais baratos. Falamos um pouco sobre desafios do sistema financeiro em outro post do nosso blog.

 

Comemoração do IPO da Stone. Foto: Divulgação

 

Mais conhecida pelas maquininhas de passar cartão, a Stone Pagamentos teve um crescimento de 80% no número de clientes e 173% em seu lucro líquido do segundo trimestre de 2018 para o mesmo período em 2019. Também começara a atuar com crédito e poderá fornecer empréstimo com dinheiro próprio. Por conta disso, tem João Paulo Lemann como um de seus investidores e é uma das superfintechs brasileiras

 

No ano passado, ganhou relevância também por ter aberto capital na bolsa de Nova York. Dois investidores foram Warren Buffett (que você sabe quem é) e o Ant Financial, ligado ao grupo Alibaba. Atualmente, a Stone é avaliada em 10,3 bilhões de dólares.

 

Bernardo Carneiro, sócio-diretor da Stone, foi um dos palestrantes do Startup Summit 2019, evento que a BIX Tecnologia foi cobrir. Na mesa “Pense Global – mudança de mindset”, falou da importância de estar próximo ao cliente. Após a palestra, bateu um papo com a nossa equipe:

 

Palestra de Bernardo Carneiro no Startup Summit. Foto: Divulgação

 

“O objetivo é trabalhar com dados para tomar melhor a decisão”

 

BIX Tecnologia: O grande diferencial das fintechs é que elas “atacam” processos muito tradicionais, muito enraizados no cotidiano das pessoas. Penso no meu vô, por exemplo, toda quinta-feira, ele ia ao banco – mesmo quando não precisava. Como que a Stone reconheceu os gaps do mercado que se propõe a resolver?

 

BERNARDO CARNEIRO: Temos esse mantra de ouvir muito o cliente. A gente sempre pergunta “Qual é a sua dor? O que você gostaria que fosse melhor no seu negócio?” Escutamos, constantemente, duas coisas: Como gerir melhor o negócio dele e como vender mais? Dentro desses dois blocos, a gente vem investindo bastante. Como é que eu ajudo a gerir melhor o negócio dele, seja o pagamento, o capital de giro, a parte contábil, estoque, ou como eu ajudo a vender mais? Levando esse cara pro digital, pra marketplace, pro e-commerce… A gente identifica esses dois “blocos” falando com o cliente todos os dias. É assim que a gente entende qual é a dor desse cara e desenvolve ou investe em coisas novas com o objetivo de chegar nessas dores dele.

 

BIX: Como é que vocês usam a análise de dados ou Business Intelligence nos negócios de vocês?

 

BERNARDO: A empresa é bem intensa em tecnologia, porque, afinal, somos uma empresa de tecnologia (risos). Mas hoje a gente tem uma coisa que é bem específica nossa. Todos os times da companhia têm times de tecnologia dentro deles. O objetivo é colocar tecnologia para aprimorar os processos de negócio e trabalhar com dados para tomar melhor a decisão desde uma decisão de crédito, expansão, o que priorizar na tecnologia… Para que um cliente não precise me ligar com um problema de algo que ele está em dúvida. Adoramos que o cliente nos ligue, mas não queremos que ele tenha problemas. 

 

BIX: Em quais áreas? Tem algum case específico?

 

BERNARDO: Trabalhamos com dados em todas as áreas. Um case que eu posso abrir é o case do Xavier (menção ao professor X), que é o nosso atendimento preditivo. Hoje, quando você liga para a Stone, a gente tem uma plataforma que checa vários dados em relação ao cliente, desde o endereço que está aquela máquina, como que está a questão de telecom, sinal, qual o ticket médio, banco… Com o objetivo de identificar qual cliente é esse e qual o potencial problema que ele tem naquele momento. Isso dá muito mais confiança pro nosso encantador (atendente do time de relacionamento) ao falar com o cliente e agilidade em resolver o problema.

 

Plateia acompanha com interesse a mesa.  Foto Imagem e arte / Fabrício de Almeida.

Como foi possível ver pela entrevista com o Bernardo, contato com o cliente é essencial para saber se posicionar no mercado. Além disso, o uso de dados pode ser essencial para uma empresa que se presta a solucionar questões antigas de setores “consolidados” como o financeiro.

 

Se você quiser saber como o uso de dados pode ajudar a sua empresa a conquistar melhores resultados, entre em contato conosco. Somos uma consultoria de Business Intelligence e Advanced Analytics que possui cases em áreas diversas de empresas de segmentos bastante amplos. Adoramos ajudar você a resolver um problema e se livrar de uma dor.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *